Dados nacionais revelam que 90% dos nacionais emigrados se fixam, quando regressam, na freguesia de onde partiram. Assim, as câmaras municipais e as juntas de freguesia são naturalmente os seus pontos de referência. É por isso responsabilidade dos Municípios, uma atenção redobrada para com o crescimento da população emigrante, habilitar e preparar a estrutura municipal para novos serviços de apoio aos emigrantes, que possam tratar de assuntos de forma eficaz e rápida.

Assim, consciente da importância da comunidade mangualdense dispersa pelo mundo e sentindo a necessidade de resposta, de forma eficiente, às solicitações e dificuldades com que os nossos emigrantes se deparam, o Município de Mangualde em cooperação com a Direção Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas implementou o GAE – Gabinete de Apoio ao Emigrante.

Os objetivos principais deste gabinete passam por informar sobre os seus direitos, orientar e auxiliar os nossos emigrantes, os que estão em vias de regresso, os que residem ainda no país de acolhimento, contribuindo para que os problemas sejam resolvidos. Pretende-se assim prestar um melhor serviço público aos nossos munícipes emigrantes, porque sentimos orgulho no seu sucesso além-fronteiras e no contributo que dão para a promoção de Mangualde pelo mundo.

Paralelamente está a nascer um projeto de investigação, liderado pelo mesmo Gabinete de Apoio ao Emigrante, que consistirá em recolher, harmonizar e analisar informação sobre a evolução e as características da emigração mangualdense de forma a compreender a dimensão da mesma, tendo sobretudo em conta as relações existentes com a localidade de origem. Assim, pretende-se numa primeira fase, desde já, efetuar o recenseamento de todos os emigrantes mangualdenses que vivam atualmente no estrangeiro, de forma a contribuir para a definição e avaliação de políticas municipais de emigração.

Para terminar, lembrar que todo este desafio é encarado pelo Município como uma responsabilidade, uma oportunidade e um investimento. Uma responsabilidade, pois não pode haver distinção entre mangualdenses, quer residam ou não no concelho; uma oportunidade, pois através desta ferramenta pretende-se conhecer melhor a realidade da diáspora mangualdense e um investimento, uma vez que muitos destes mangualdenses, quando regressarem definitivamente a Mangualde aqui podem investir e ajudar a criar riqueza e valor acrescentado.